ELEIÇÕES 2022

Moro é cobrado por "descuido" na Lava Jato e plateia aplaude


Foto:(Reprodução/Youtube)

O ex-juiz Sergio Moro enfrentou uma plateia crítica na sua participação em um evento de brasileiros nos Estados Unidos no sábado (9).

O público que antes o aplaudia agora saudou uma pergunta sobre eventual erro (o entrevistador chegou a usar a expressão "crime") durante a operação Lava Jato. Hoje, Moro é político filiado ao União Brasil.

O questionamento foi sobre Moro ter indicado uma testemunha ao procurador Deltan Dallagnol quando era juiz da Lava Jato. Quem fez a pergunta foi o advogado Augusto de Arruda Botelho, crítico da operação, ex-analista da CNN Brasil e que se filiou ao PSB junto com Geraldo Alckmin.
 
O motivo da pergunta foi diálogo por mensagens de celular revelado pelo site The Intercept Brasil em 2019 -a série de reportagens ficou conhecida como Vaza Jato. Depois de comunicar a Moro que a testemunha indicada por ele não quis falar por telefone, Deltan afirma que faria uma intimação com base em "notícia apócrifa". O então juiz consentiu: "Melhor formalizar". 

"Não é uma conversa, com todo respeito, cotidiana entre advogados, juízes e partes", declarou Botelho durante o evento. "No momento em que o senhor indica uma testemunha para o Deltan o senhor chamou isso de descuido", disse.

"Isso aqui é uma falsidade ideológica [dizer que a testemunha foi citada de forma apócrifa em vez de por Moro]. O senhor não só não repreendeu o procurador como concordou. O que faz, com imenso respeito a senhor, quase que coautor do crime de falsidade ideológica. O senhor acha essa conversa normal?", pergunta Botelho -e o público aplaude.

Na resposta, Moro disse que não tem certeza se essa troca de mensagens aconteceu -em 2019, ele declarou o seguinte sobre o caso: "Pode ter havido algum descuido formal, mas, enfim, isso não é nenhum ilícito".

Ele também disse que não houve formalização da "denúncia anônima".
 
"É uma fantasia que o você está construindo. Ninguém foi incriminado com base em prova fraudada na Lava Jato", declarou o ex-juiz em sua resposta ao advogado.

Não houve aplausos a Moro nessa parte. Ele foi saudado por parte do público pouco antes, quando disse o seguinte: "O que existe é uma construção de uma narrativa fantasiosa para colocar criminosos em liberdade".

As declarações foram na Brazil Conference, evento promovido anualmente desde 2015 por estudantes brasileiros da região de Boston, nos EUA, local conhecido por receber há décadas imigrantes ilegais latinos, sobretudo do Brasil.

Apesar de ser numa cidade norte-americana, a maioria dos painéis é com brasileiros falando em português no palco e plateia composta majoritariamente também por pessoas do Brasil, como se fosse numa conferência realizada em São Paulo ou no Rio de Janeiro.

Só foi em inglês o painel de Jorge Paulo Lemann, fluente nesse idioma. Quando jovem, ele estudou em Harvard (universidade que fica em Cambridge, cidade conurbada a Boston) e é conhecido por fazer doações para essa instituição de ensino. O empresário é um dos principais financiadores do evento anual de estudantes brasileiros da região, por meio da Fundação Lemann.





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



ELEIÇÕES 2022  |   24/06/2022 16h50





ELEIÇÕES 2022  |   24/06/2022 10h44


ELEIÇÕES 2022  |   24/06/2022 10h27







google.com, pub-8716156245551661, DIRECT, f08c47fec0942fa0 facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb