POLÍTICA

Por pressão de caminhoneiros, ala do governo quer subsídio imediato ao diesel


Foto:(Ricardo Morais/Reuters)

Uma ala do governo Jair Bolsonaro defende a implementação imediata de um programa de subsídio ao diesel, para compensar o reajuste de 25% anunciado pela Petrobras na quinta-feira (10). Segundo ministros disseram à reportagem, em caráter reservado, o pano de fundo é a pressão de caminhoneiros. A demanda da categoria ao governo é para não arcar com nenhum percentual do recente aumento.
 
Embora o ministro Paulo Guedes tenha falado em adotar subsídios do Tesouro Nacional para o diesel caso a guerra na Ucrânia se prolongue, internamente o chefe da Economia tem admitido que a pressão dos caminhoneiros pode mudar seus planos.

De acordo com auxiliares, Guedes diz não ver problema no subsídio em si, mas o que ele rechaça é que, diante da incerteza do cenário internacional, a medida acabe incorporada por um período muito longo. E mais: para o ministro, a depender da evolução do preço do barril de petróleo, o benefício pode ter de passar por reajustes frequentes.
 
Segundo os cálculos do governo, a aprovação pelo Congresso do projeto que zera tributos federais sobre o diesel e determina alíquota única no ICMS de combustíveis deve amortecer R$ 0,60 do aumento de R$ 0,90 no diesel anunciado pela Petrobras. Para uma parte dos auxiliares de Bolsonaro, os outros R$ 0,30 poderiam ser compensados com a adoção imediata do subsídio.

As estimativas feitas por esses ministros mostram um custo de R$ 2 bilhões ao mês. A ideia é de que o programa tivesse validade de três a seis meses, com o pagamento sendo feito a produtores e importadores de combustíveis para que o reajuste não chegasse à bomba.





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



POLÍTICA  |   24/06/2022 15h41





POLÍTICA  |   23/06/2022 15h21


POLÍTICA  |   23/06/2022 14h59







google.com, pub-8716156245551661, DIRECT, f08c47fec0942fa0 facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb