SAÚDE

Dados mostram a importância da vacina contra covid para grávidas


Foto:(Letícia Mori)

Dados coletados ao longo de mais de um ano desde o início das imunizações confirmam que as vacinas são seguras e eficazes para proteger gestantes contra covid-19 - doença que traz enormes riscos para grávidas e puérperas.

Um alerta para que o Brasil e outros países da América priorizem a vacinação de mulheres grávidas e puérperas contra a covid-19 foi feito pela Opas (Organização Pan-Americana da Saúde, braço da OMS) no fim do ano passado. Gestantes e lactantes são grupos de risco para a doença e têm maior chance de desenvolver complicações caso adoeçam, o que torna a vacinação ainda mais importante do que para a população em geral.
 
"Sabemos que se as mulheres grávidas adoecerem, elas terão um risco maior de desenvolver sintomas graves da covid-19 e precisarão com mais frequência de ventilação e cuidados intensivos, quando comparadas às mulheres que não estão grávidas", disse Carissa F. Etienne, diretora da instituição. "Elas também têm uma chance maior de dar à luz prematuramente".

Apesar do alerta, o ritmo de vacinação entre grávidas segue lento no Brasil - somente cerca de 646 mil gestantes receberam a segunda dose das vacinas contra covid, segundo a Rede Nacional de Dados em Saúde (atualizados até 9 de dezembro de 2021). Isso representa cerca de 21,6% das 3 milhões de gestantes previstas para serem vacinadas no PNI (Programa Nacional de Imunizações).

No entanto, a baixa adesão entre grávidas não é exclusiva ao Brasil. Um estudo feito pelo CDC (centro de controle de doenças) americano, no meio do ano passado, apontou que o problema existia também nos Estados Unidos. E o governo do Reino Unido tem feito apelos para que as grávidas se vacinem.

Especialistas em imunização apontam que dúvidas sobre as vacinas e a disseminação de notícias falsas são as prováveis causas da baixa adesão.

Como os testes clínicos das vacinas não incluem mulheres grávidas, muitas dúvidas surgiram no início dos programas de vacinação: as vacinas são seguras para grávidas? Gestantes devem se vacinar? Quais as marcas recomendadas?

"No início não havia muitos dados porque elas não estão nos testes clínicos, mas já tínhamos indícios de que as vacinas seriam seguras por usarem metodologias que a gente já conhecia", explica a médica Brianna Nicolletti, imunologista pela USP e membro da Sociedade Brasileira de Alergia e Imunopatologia. Naquele momento, inclusive, houve cautela para aplicação em gestantes das vacinas que usam tecnologia nova de mRNA - e que depois se provaram bastante seguras para grávidas.
 
Um ano depois do início da vacinação no Brasil - e mais tempo ainda em países como os EUA -, há um conjunto maior de dados que comprovam que as vacinas contra covid são seguras e eficazes para grávidas. E mais do que isso: que a vacinação é importante para diminuir as chances de contrair covid e de desenvolver formas graves da doença - essa, sim, que representa um grande risco à saúde das mulheres e dos bebês.

Em dois anos de pandemia e pelo menos um ano de vacinação de gestantes, os dados mostram que o grande risco para mulheres grávidas está em contrair o coronavírus.

"Por questões hormonais, as gestantes têm alterações no sistema imunológico e por causa disso podem ter um quadro mais grave se tiverem covid", explica Nicoletti.

Dados de uma pesquisa feita pelo Observatório Obstétrico Brasil da Covid 19 apontam um índice de letalidade para grávidas com a doença 4,2 vezes maior do que a taxa da população em geral.

Na prática, enquanto a taxa de letalidade na população em geral até outubro de 2021 foi de 2,8%, segundo o estudo, a taxa de letalidade da covid entre gestantes e puérperas foi de 11,7%.
 
Além disso, doenças que afetam o sistema respiratório e podem comprometer a oxigenação no sangue são especialmente preocupantes em gestantes. "Na sua forma moderada ou grave, a covid resulta em baixa oxigenação no sangue. E baixa oxigenação no sangue da gestante significa baixa oxigenação para o feto, o que pode levar a consequências gravíssimas para o seu desenvolvimento", explica Nicoletti.

Também há estudos que mostram que o coronavírus aumenta o risco de partos prematuros. Um dos estudos, feito no Reino Unido a partir de dados de mais de 300 mil mulheres, foi publicado em maio do ano passado no American Journal of Obstetrics and Gynecology.

A conclusão da pesquisa, feita com dados de maio de 2020 a janeiro de 2021, foi de que houve uma taxa de 8,5 de bebês natimortos em cada mil mulheres com covid. Entre as mulheres sem a doença, a taxa de bebês natimortos foi de 3,4 para cada mil nascimentos. Além disso, 12% das gestantes com covid tiveram partos prematuros (com menos de 37 semanas). Entre as mulheres não contaminadas, o índice foi de 5,8% de partos prematuros.

O coronavírus também gera um alto risco de desenvolver trombose como resultado de um quadro de covid-19 grave: cerca de 16,5% dos doentes na população em geral têm o problema.
 
Nesse cenário, a vacinação de gestantes, puérperas e lactantes se torna extremamente importante não apenas para reduzir os riscos de contrair covid, mas para diminuir as chances de um quadro grave da doença em caso de diagnóstico positivo.

"A proteção dada pelas vacinas às grávidas é a mesma oferecida ao público em geral, ou seja, elas diminuem as chances de contaminação e as chances de desenvolver um quadro grave da doença", explica Brianna Nicolletti. "Mas, com a variante ômicron e possíveis novas variantes, os índices de eficácia vêm caindo. Por isso é importante a dose de reforço."

Atualmente, a recomendação do Ministério da Saúde é que grávidas e puérperas se vacinem preferencialmente com as vacinas da Pfizer e da CoronaVac.

Para a vacina da Pfizer, o índice de proteção contra covid calculado nas pesquisas clínicas feitas durante o teste do imunizante era de 95%. Após a ampla vacinação da população, a fabricante verificou que a proteção, um mês após a segunda dose, era de 88%.

Um estudo liderado pelo imunologista Tim Spector, da Universidade King's College London, na Inglaterra, com dados de vacinação da população mostrou que essa eficácia diminuiu de 88% em um mês para 74% em um período entre cinco e seis meses.





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM





google.com, pub-8716156245551661, DIRECT, f08c47fec0942fa0 facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb