CENÁRIO URBANO

Copan será restaurado após 10 anos de negociações


Foto:(Felipe Rau/Estadão)

Após dez anos de negociações, o restauro do Copan está mais perto de começar e, enfim, viabilizar a retirada da tela que esconde grande parte da icônica fachada. O projeto apresentado por uma empresa contratada pelo condomínio foi parcialmente aprovado e chamado de “excelente” pelos órgãos municipais de patrimônio, com a versão final a ser entregue ainda neste ano.
 
Criado por Oscar Niemeyer, com colaboração de Carlos Lemos, o edifício completa 70 anos de início da construção no ano que vem. Ao longo dos anos 2000, tem convivido com problemas de manutenção da fachada, como infiltrações, queda de pastilhas, descaracterização, desprendimento de concreto e até exposição da armadura, o que foi constatado em laudos e denunciado a órgãos de patrimônio. Embora o novo projeto tenha sido bem recebido no Departamento de Patrimônio Histórico (DPH) e no Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp), o síndico do Copan é cauteloso ao falar sobre a situação. Responsável pelo condomínio desde 1993, Affonso Celso Prazeres de Oliveira diz ainda procurar parcerias para a obra, por ter apenas uma parte dos milhões de reais do custeio. Ainda não há data de início.

Os órgãos de patrimônio municipais têm destacado, contudo, que ao menos as medidas mais emergenciais precisam ser iniciadas logo. Em reunião do Conpresp em agosto, foi ressaltado um trecho do projeto. “Embora o levantamento não aponte riscos estruturais para o edifício, em alguns pontos, como nos pilares da fachada sul e escadas de serviço, é possível verificar pontos críticos, com alto grau de deterioração do concreto e suas armaduras, que necessitam de tratamento urgente”.
 
Na ocasião, a proposta foi aprovada de forma unânime, com a exigência de apresentação dos relatórios das etapas das obras emergenciais. O arquiteto Valdir Arruda, do DPH, chegou a explicar que propostas de anos atrás não foram acatadas por envolverem materiais muito distantes do original, como pastilhas de vidro brilhosas. Além disso, abrangiam apenas a fachada voltada à Avenida Ipiranga, enquanto a nova é para toda a área externa.

Em novembro de 2019, o conselho havia acertado a entrega do projeto em março do ano seguinte – mas com a pandemia o prazo não foi cumprido. Embora seja um dos trabalhos mais conhecidos de Niemeyer, o edifício é tombado apenas no âmbito municipal (desde 2012) e não há processo de preservação em estudo nas esferas estadual e federal (de acordo com a Secretaria da Cultura e o Iphan). Portanto, do ponto de vista de patrimônio (o que não inclui outras permissões para obras), o restauro só depende de liberação do Conpresp e do DPH.





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



CENÁRIO URBANO  |   20/10/2021 17h03





CENÁRIO URBANO  |   19/10/2021 17h50


CENÁRIO URBANO  |   19/10/2021 16h42







google.com, pub-8716156245551661, DIRECT, f08c47fec0942fa0 facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb