POLÍTICA

PRF registra mais de 60 pontos bloqueios de caminhoneiros.


Foto:(Ivan Fuquini/Diário do Noroeste)

A PRF (Polícia Rodoviária Federal) registrou ao menos 67 bloqueios em rodovias de oito estados organizados por caminhoneiros autônomos. A informação foi confirmada pelo Ministério da Infraestrutura a reportagem. Os bloqueios começaram ontem, durante as manifestações do 7 de Setembro convocadas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), e seguiram ao longo do dia desta quarta-feira (8).
 
Até as 17h30, a maior parte dos manifestantes estava concentrada em Santa Catarina. Há também relatos de atos em estradas no Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso, Espírito Santo, Rio de Janeiro e de presença de transportadores na Esplanada dos Ministérios. De acordo com o Ministério da Infraestrutura, a PRF atua em todas as localidades identificadas para garantir o livre fluxo..

"Ao todo, já foram debeladas 67 ocorrências com concentração de populares e tentativas de bloqueio total ou parcial de rodovias durante as últimas horas", diz a pasta, em comunicado. "A PRF encontra-se em todos os locais identificados e trabalha pela garantia do livre fluxo com a tendência de fim das mobilizações até a 0h de 9/9", acrescenta.

O ministério informou ainda que os atos não são organizados por qualquer entidade setorial do transporte rodoviário de cargas e que a composição das mobilizações é heterogênea, "não se limitando a demandas ligadas à categoria.".
 
Os bloqueios realizados pelos caminhoneiros já preocupam até mesmo distribuidoras de combustíveis, conforme apuração do jornal "O Estado de S. Paulo". As empresas temem que faltem produtos como gasolina e óleo diesel nas próximas 12 horas desta quarta-feira, caso os protestos prossigam.

Em nota, a NTC&Logística (Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística) criticou a paralisação e disse que "trata-se de movimento de natureza política e dissociado até mesmo das bandeiras e reivindicações da própria categoria, tanto que não tem o apoio da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos".
 
"Preocupa a NTC o bloqueio nas rodovias o que poderá causar sérios transtornos à atividade de transporte realizada pelas empresas, com graves consequências para o abastecimento de estabelecimentos de produção e comércio, atingindo diretamente o consumidor final, de produtos de todas as naturezas inclusive os de primeira necessidade da população como alimentos, medicamentos, combustíveis etc", diz trecho do comunicado.

"Esperamos que as autoridades do Governo Federal e dos Governos Estaduais adotem as providências indispensáveis para assegurar às empresas de transporte rodoviário de cargas o pleno exercício do seu direito de ir e vir e de livre circulação nas rodovias em todo o território nacional, como pressuposto indeclinável para o cumprimento da atividade essencial de transporte", prossegue.

Atualmente, a NTC congrega, além das empresas diretamente associadas (cerca de 2.354), mais de 50 entidades patronais (federações, sindicatos e associações especializadas), representando cerca de 15.000 empresas que operam uma frota superior a 1,2 milhões de caminhões e criam mais de 2 milhões de postos de trabalho.
 
A economia e a bolsa

O experiente gestor da Armor Capital e especialista em câmbio, Alfredo Menezes, fez o alerta: "O foco agora para o mercado é o movimento de caminhoneiros. Seria horrível para o PIB e o fiscal." As ações da Petrobras caem mais de 3% nesta quarta-feira, 08. O Ibovespa cai 2,8% e o dólar sobe quase 2%, próximo aos 5,30 reais.





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



POLÍTICA  |   24/06/2022 15h41





POLÍTICA  |   23/06/2022 15h21


POLÍTICA  |   23/06/2022 14h59







google.com, pub-8716156245551661, DIRECT, f08c47fec0942fa0 facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb