ECONOMIA

Reajuste em taxa extra da conta de luz deve ultrapassar 60% em julho.


Divulgação

Como consequência da crise hídrica que atinge os principais reservatórios do país, o reajuste da bandeira vermelha 2 sobre a conta de luz deve ser de mais de 60%, conforme publicado O Globo nesta segunda-feira (21). Se confirmada a alta, o valor da tarifa extra ficará em torno de R$ 10 a cada 100 quilowatts-hora (kWh).
 
O diretor-geral da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), André Pepitone, confirmou em evento na última terça-feira (15) que o valor vai aumentar e chegará ao bolso do consumidor. Na ocasião, no entanto, Pepitone falou em um reajuste superior a 20%, afirmando que a cobrança poderia chegar a R$ 7,57 a cada 100 kWh.

Atualmente, a tabela estabelece uma cobrança adicional de R$ 1,34 a cada 100 kWh consumidos na bandeira amarela; R$ 4,16 na bandeira vermelha 1; e R$ 6,24 na vermelha 2. Não há cobrança adicional na bandeira verde. Desde 1º de junho, a bandeira em vigor é a vermelha 2.

O reajuste é discutido pela Aneel e deve ser oficializado ainda neste mês para valer a partir de julho de 2021.
 
O sistema de bandeira tarifária é um mecanismo usado para gerir o valor cobrado aos consumidores a partir das condições de geração de energia elétrica. É acionado, por exemplo, quando as hidrelétricas entregam menos energia do que o que foi assegurado e é preciso comprar de terceiros, por um preço normalmente mais elevado do que a produção própria.

O governo federal emitiu alerta de emergência hídrica no fim de maio. À época, o ministro Bento Albuquerque (Minas e Energia) afirmou que o país passava pela pior crise hídrica desde 1931.

Documentos obtidos pelo jornal Folha de S. Paulo, no entanto, mostram que o TCU (Tribunal de Contas da União) alerta há pelo menos 10 anos sobre problemas no sistema elétrico -como erros no planejamento da capacidade de geração de energia. O Ministério de Minas e Energia declarou que sempre responde às recomendações do TCU e que alguns processos, "por demandarem providências, duram muitos anos".

Analistas do setor consultados por O Globo estimam que o reajuste teria de ser de cerca de R$ 12 na bandeira vermelha 2 para cobrir os custos extras criados pela geração de energia por termelétricas.
 
O reajuste que está sendo preparado será o primeiro aumento desde 2019. A geração de energia por termelétricas vai custar R$ 9 bilhões aos consumidores neste ano, de acordo com cálculos do Ministério de Minas e Energia.

A bandeira vermelha 2 deve permanecer em vigor até, pelo menos, novembro, quando tem início o período das chuvas.





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM






ECONOMIA  |   23/06/2022 16h23


ECONOMIA  |   23/06/2022 10h49







google.com, pub-8716156245551661, DIRECT, f08c47fec0942fa0 facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb