POLÍTICA

Fiasco: Brasil não fecha acordo do spray nasal que motivou viagem a Israel.


Comitiva brasileira que foi obrigada a usar máscaras em Israel. Foto:(Instagram/ Ernesto Araujo)

O Itamaraty admitiu que a viagem da comitiva brasileira à Israel não resultou em um acordo sobre o spray nasal contra a covid-19. A viagem, liderada pelo ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo também não obteve sucesso para o compartilhamento de tecnologias de combate à pandemia.
 
As informações estão em documento enviado pelo Itamaraty à bancada do Psol na Câmara dos Deputados. O documento foi enviado no dia 7 de maio, mas foi divulgado apenas nesta 6ª feira

De acordo com as informações fornecidas pelo ministério, o termo de cooperação sobre o spray nasal não foi finalizado porque o Ministério da Saúde não assinou o documento. Na carta de intenções é possível ver que Araújo assinou o texto, assim como o representante de Israel. Mas o representante da Saúde, não. Eis a íntegra (237 KB).
 
“[…] O projeto da carta não teve sua celebração completada, uma vez que não foi assinada pelo representante do Ministério da Saúde e não chegou à troca de instrumentos entre os signatários, conforme prática de negociações internacionais“, diz o documento assinado pelo atual ministro das Relações Exteriores, Carlos França.

Os dados do Itamaraty afirmam que a viagem era planejada desde maio de 2020. Diversos telegramas foram trocados sobre a ida da comitiva brasileira. Mas todos esses telegramas foram colocados sob sigilo. São 24 telegramas em sigilo por 5 anos, ou seja até 2026, e outros 4 por 15 anos, até 2036. Os motivos para o sigilo não são informados.
 
Como a viagem foi planejada por meses, para França, isso prova que a comitiva tinha outros interesses além da pandemia. Ele afirma que o objetivo era aprofundar a relação diplomática entre os 2 países.

No entanto, logo depois da viagem, o governo brasileiro exaltou as propriedades do spray nasal. O medicamento foi desenvolvido pelo governo de Israel e que foi brevemente testado em pacientes que faziam tratamento contra a covid-19 em um hospital do país.
 
Em 9 de março, mesmo dia mencionado na carta de intenções sobre o spray, a Assessoria Especial de Assuntos Internacionais da Presidência da República afirmou: “O governo brasileiro está levando resultados bastante concretos na bagagem”.

O custo da viagem, de acordo com o Itamaraty, foi de R$ 88.245,07. Mas o valor gasto com o deslocamento até Israel, no avião da FAB (Força Aérea Brasileira), não foi informado nos documentos enviados ao Psol.

A VIAGEM VEXATÓRIA

Um grupo de 10 pessoas do governo federal foi para Israel em 6 de março para negociar o compartilhamento de tecnologias de combate à pandemia e o spray nasal EXO-CD 24. A comitiva contou com os seguintes representantes do governo Bolsonaro:
 
  • Ernesto Araújo, então ministro das Relações Exteriores;
  • Deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP);
  • Deputado Hélio Lopes (PSL-RJ);
  • Fábio Wajngarten, então secretário de Comunicação;
  • Filipe Martins, assessor da Presidência da República;
  • Embaixador Kenneth Félix Haczynski da Nóbrega;
  • Hélio Angotti Neto, do Ministério da Saúde;
  • Marcelo Marcos Morales, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação;
  • Max Guilherme Machado de Moura, da Secretaria da Presidência da República e
  • Pedro Paranhos, do Ministério das Relações Exteriores.

A ida dos brasileiros a Israel, em um dos piores momento da pandemia, em que recordes de mortes eram batidos constantemente foi repleta de gafes e embaraços.

Vídeo anterior ao embarque compartilhado pelo deputado Eduardo Bolsonaro mostra todos sem máscara. Na foto divulgada pelo Itamaraty na manhã do dia seguinte, que mostra o desembarque em Israel, o grupo aparece usando máscaras de proteção.
 
No mesmo dia, durante um evento oficial, o locutor que anunciava os nomes das pessoas presentes solicitou ao ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que colocasse a máscara de proteção, no momento em que o grupo faria uma foto oficial.

Depois do desembarque, a equipe ficou confinada no hotel e só pôde sair para ocasiões previamente agendadas. Isso porque Israel têm um rígido controle de quem entra no país, obrigando visitantes a realizar quarentena de 7 dias.





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



POLÍTICA  |   16/06/2021 16h40


POLÍTICA  |   16/06/2021 15h21


POLÍTICA  |   16/06/2021 11h25




google.com, pub-8716156245551661, DIRECT, f08c47fec0942fa0 facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb