CULTURA

A sempre emocionante história do Drama da Paixão.




Foto: Fabiano Martins

Por Veridiano Peixoto e Leandro Daher

Lá se vão anos de Drama da Paixão, mais precisamente 24 deles, e parece que sempre é a primeira vez. Os trabalhos, expectativas são cada vez renovados para levar ao público o segundo maior espetáculo do gênero no Brasil, e eles iniciaram em janeiro com as inscrições para atores. Ao longo dos últimos três meses foram ensaios, preparação de textos, figurinos, caracterização, gravação das vozes em estúdio audição de bailarinas, e outros componentes indispensáveis para a apresentação de espetáculos grandiosos. Idealizado e dirigido por Edmilson Andrade, que quando criança esperava a chegada da Semana Santa para ver a história de Jesus, com a posterior intenção de também contá-la à sua maneira em parques, praças e outros locais das cidades, acabou determinando o que hoje milhares de pessoas assistem em Santana de Parnaíba. Inspirado pela encenação de Nova Jerusalém, no interior de Pernambuco, a maior do país, Edmilson realizou sua primeira montagem em Piracicaba, e no seguinte em Parnaíba. Nos primeiros anos, ainda pequena na estrutura, mas já gigante na intenção, as apresentações ocorriam atrás da Igreja Matriz, com duas colunas romanas e poucos atores, mas com uma significativa plateia que ano pós ano só cresceu, o que passou a exigir um espaço maior até que em 2001 o espetáculo passou para a Usina Edgar de Sousa, uma área de 15 mil metros quadrados.

Da esquerda para a direita - Isaque Patricio (Gideão), Edimilson Andrade (Diretor) e Sinnayder Barcelos (Jesus). Foto: ( Leandro Daher/OA)

Para a realização deste ano são 80 atores, e 400 figurantes, sendo que o principal papel, o de Jesus, fica sob a responsabilidade de Sinnayder Barcelos, que iniciou a atuação em 1996 como figurante, até que em 2009 foi escolhido para ser protagonista. ?Já são dez anos fazendo o papel de Jesus, e todo o ano é uma emoção diferente, eu garanto isso? e adianta uma novidade ?Este ano teremos a cena do andar de Jesus sobre as águas, não tem como se emocionar? conclui o ator. O enredo é dividido em duas partes. Na primeira será apresentada a ?Epopéia de Gideão?, que ajudou a libertar os filhos de Israel dos midianitas com um pequeno exército de 300 homens. Na segunda contara a história da vida, morte e ressureição de Jesus. A estimativa é que o espetáculo tenha uma duração aproximada de 3 horas.

A Estrutura

Quanto à estrutura será montado um esquema especial de trânsito de veículos e também de estacionamento, fora da área do evento, os quais serão coordenados pelos profissionais de Departamento de Engenharia de Trânsito. Haverá também um esquema de orientação ao deslocamento das pessoas nas imediações do local. Portadores de necessidades especiais e idosos terão à disposição transporte gratuito com saída do Monumento aos Bandeirantes. Durante os três dias de apresentação (18,19 e 20) o público contará, ainda, com uma praça de alimentação, com quiosques previamente cadastrados pela Prefeitura. Todos serão fiscalizados por agentes de Vigilância Sanitária da Secretaria de Saúde, que, antes do evento, darão várias dicas de manipulação e conservação dos alimentos. Vale ressaltar que nos dias do evento não será permitida a venda de bebidas alcoólicas em nenhum dos quiosques. Os espectadores também não poderão entrar portando garrafas ou latas de bebidas. A organização estima que serão mais de 20 mil espectadores divididos entre os três dias de espetáculo.






COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM





google.com, pub-8716156245551661, DIRECT, f08c47fec0942fa0