SAÚDE

Eficácia divulgada da CoronaVac iguala a de vacinas em uso no Brasil




Divulgação

A CoronaVac, vacina produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica Sinovac, têm eficácia parecida com a de outras que já estão em uso ou em desenvolvimento no Brasil.

Segundo o Governo de São Paulo, o imunizante contra a covid-19 é capaz de reduzir em 78% o risco de contrair a doença. Também preveniu totalmente mortes pela doença e foi 100% bem-sucedido em impedir que os infectados desenvolvessem casos graves e moderados de covid-19.

Os dados completos, no entanto, ainda não foram divulgados, e as informações iniciais estão sendo contestadas por pesquisadores, que pedem números exatos de infectados em cada grupo de voluntários (os que receberam a vacina e os que receberam placebo). Do modo como os dados foram expostos pelas autoridades paulistas, alguns integrantes da comunidade científica calculam que a eficácia global da CoronaVac seja na verdade de 63,75%, ou 14,5 pontos percentuais a menos que a taxa de 78% divulgada oficialmente.
 
Se confirmada a taxa de eficácia de 78%, o imunizante entrará para o quadro com uma eficácia próxima a de outras fórmulas amplamente distribuídas pelo SUS (Sistema Único de Saúde), como a da gripe e a tetraviral, que previne contra sarampo, caxumba, rubéola e varicela.

O site compilou as taxas de eficácia da maior parte dos imunizantes presentes no Calendário Nacional de Vacinação. Os dados, consultados em informes técnicos do Ministério da Saúde e em artigos científicos, podem variar de acordo com a fabricante da fórmula, com a idade da pessoa vacinada e com o tipo de vírus ou doença combatido.
Arte : Poder 360
 
Butantan pediu à Anvisa o uso emergencial da CoronaVac na 6ª feira (8.jan.2021). Os dados completos dos estudos com a vacina no Brasil foram enviados e estão sendo analisados pela agência. Somente depois desse trâmite é que os números detalhados serão divulgados, segundo a gestão de João Doria (PSDB).Em 24 de dezembro, a Turquia afirmou que a fórmula no país teve eficácia de 91,25%  após testagem com 1.300 pessoas. No mesmo dia, o secretário de Saúde de São Paulo, Jean Carlo Gorinchteyn, disse que os testes com a população brasileira não haviam atingido 90% de eficácia.

No Brasil, os testes foram feitos com 12.476 profissionais de saúde voluntários em 8 Estados. Eles receberam duas doses do imunizante com 14 dias de intervalo entre elas. A fase 3 dos ensaios foi patrocinada pelo Butantan.
 
O imunizante é a aposta do governador João Doria, que trava embate com o presidente Jair Bolsonaro acerca da vacinação.

O chefe do Executivo é crítico das vacinas. Em outubro, chegou a vetar acordo firmado pelo Ministério da Saúde para compra de doses da CoronaVac, levantando a possibilidade do imunizante causar “morte“, “invalidez” e “anomalias“. Nenhum dos voluntários relataram reações adversas dessa magnitude.
 





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM





google.com, pub-8716156245551661, DIRECT, f08c47fec0942fa0 facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb