CENÁRIO URBANO

Homem é espancado até a morte em loja do Carrefour




Reprodução do vídeo.

Um homem negro, identificado como João Alberto Silveira Freitas, 40 anos, morreu após ter sido espancado na porta de uma loja do supermercado Carrefour, no bairro Passo D'Areia, na zona norte de Porto Alegre.

O fato ocorreu na noite desta quinta-feira (19), e, de acordo com informações preliminares, foi precedido por uma discussão dentro do estabelecimento com uma funcionária, um segurança de uma empresa terceirizada e um PM temporário. Os dois homens, identificados como Magno Braz Borges e Giovane Gaspar da Silva, foram detidos e presos em flagrante por homicídio qualificado. 
  
Segundo a Brigada Militar, a confusão teria começado no caixa do supermercado, envolvendo Freitas e uma funcionária. A vítima, que fazia compras com a esposa, teria ameaçado agredir a funcionária, que chamou a segurança.

O PM temporário e o segurança teriam encaminhado João Alberto Silveira Freitas para fora do estabelecimento.
 
A BM, que atendeu a ocorrência inicialmente, afirma que a vítima passou a brigar com a dupla por não aceitar sair do local. Já testemunhas que estavam no supermercado dizem que o homem foi seguido e agredido na saída. 
  
Casos anteriores

Esse caso soma se a outros dois de grande repercussão, ambos acontecidos na loja de Osasco. O primeiro que aconteceu em 2018 foi o espancamento e a morte do vira-lata Manchinha que morreu após sofrer maus-tratos de um segurança do Carrefour nas dependências do hipermercado, em Osasco. De acordo com o grupo Projeto John, o cachorro havia sido abandonado no estacionamento do Carrefour, onde alguns funcionários passaram a cuidar dele, disponibilizando água e comida. No entanto, na última quarta-feira (28) o cão recebeu diversas pauladas de um segurança, resultando inclusive com a quebra das patas. Já em estado crítico o cachorro foi recolhido pelo Centro de Zoonoses de Osasco, mas não suportou os ferimentos e acabou morrendo. 

Já em 2009, o vigilante Januário Alves de Santana foi espancado e torturado pelos seguranças do hipermercado. Na ocasião ele foi acusado de tentar roubar o próprio carro, uma EcoSport Prata financiada em 72 prestações. O episódio de racismo virou caso de polícia, e entendido por entidades de Defesa dos Direitos Humanos como intolerância contra negros. O Carrefour na época afastou os envolvidos e indenizou o vigilante em um acordo extrajudicial, cujo valor não foi divulgado, e depois do ocorrido disse que foi possível transformar mal-entendidos e falhas em oportunidades de aprendizado e aprimoramento não só dos processos internos do Carrefour
 
Dia da Consciência Negra
 
A morte de João Alberto Silveira, homem negro e jovem, acontece um dia antes do Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra, que é celebrado nesta sexta-feira. A celebração foi instituída oficialmente pela Lei nº 12.519, de 10 de novembro de 2011. A data faz referência à morte de Zumbi, o então líder do Quilombo dos Palmares – situado entre os estados de Alagoas e Pernambuco, na Região Nordeste do Brasil.
 
O outro lado

O Carrefour publicou uma nota oficial na sua conta do Twitter, onde diz:
 
 "Em respeito à vítima, a loja será fechada. Entraremos em contato com a família do senhor João Alberto para dar o suporte necessário. O Carrefour lamenta profundamente o caso. Ao tomar conhecimento deste inexplicável episódio, iniciamos uma rigorosa apuração interna e, imediatamente tomamos as providências cabíveis para que os responsáveis sejam punidos legalmente", 



 
 





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



CENÁRIO URBANO  |  02/12/2020 - 17h





CENÁRIO URBANO  |  02/12/2020 - 16h


CENÁRIO URBANO  |  02/12/2020 - 00h







google.com, pub-8716156245551661, DIRECT, f08c47fec0942fa0 facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb