SAÚDE

Butantan cobra ANVISA por atrasar cronograma de produção da vacina.




Divulgação

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, voltou a cobrar hoje a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) pela aprovação da importação de matéria-prima para que a instituição inicie a produção local da CoronaVac, a vacina contra a covid-19 desenvolvida e testada pelo Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac. Segundo Covas, a demora vem atrasando o cronograma de fabricação do imunizante.

Covas já havia cobrado a Anvisa na semana passada, alegando que o Butantan esperava a autorização há um mês. A Agência então deu na última sexta-feira (23) um prazo de cinco dias úteis para decidir a liberação da importação de insumos. "O Butantan tem trabalhado com senso de urgência do momento, desde o início quando começamos o processo de vacina.
 
Cada dia conta", afirmou. "Temos urgência do momento e esperamos que a Anvisa se pronuncie autorizando que essa matéria-prima seja liberada. A nossa fábrica está pronta e só aguardamos essa liberação", completou o diretor da instituição, que é ligada ao governo paulista.





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM





google.com, pub-8716156245551661, DIRECT, f08c47fec0942fa0 facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb